28 de dez de 2011

Mônica Salmaso | Onde ir




Eu não sei o que vi aqui
Eu não sei pra onde ir
Eu não sei porque moro ali
Eu não sei por que estou
Eu não sei pra onde a gente vai
Andando pelo mundo
Eu não sei pra onde o mundo vai
Nesse breu vou sem rumo
Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali, por acolá
Querendo ver um sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem
(não vem)

(Eu não sei o que vi aqui
Eu não sei pra onde ir
Eu não sei porque moro ali
Eu não sei por que estou
Eu não sei pra onde a gente vai
Andando pelo mundo
Eu não sei pra onde o mundo vai
Nesse breu vou sem rumo
Só sei que o mundo vai de lá pra cá
Andando por ali, por acolá
Querendo ver um sol que não chega
Querendo ter alguém que não vem
(não vem)

Vanessa da Mata

10 de dez de 2011

Canção de Amor de Piedade | Cristina Branco




Canção de Amor e Piedade
Carlos Tê

Olha, és o penso na ferida
Tão pisada e dorida
Que ainda trago no peito
Sem fechar, sem sarar,
E que nega o simples direito
De ir à minha vida
E virar esta página amarga e rompida

Sabes, o amor não é lealdade
É uma meia verdade
Que em certos momentos
Sai da boca sem piedade
Em fragmentos de estratégia pura
Só para sobreviver à doença sem cura
Que deixa um sulco de dor e prazer

Como eu gostava de poder
Amar-te com todo o meu ser
Mas estou tão ocupada a sofrer
Meu querido dá-me um abraço
E ajuda-me a esquecer
Rega o meu pobre deserto
Que parece crescer
Quando o outro não está perto

Olha, quero aqui a prometer
O meu coração fingido
Vai fazer por merecer esse amor imerecido
Até lá és apenas um bálsamo
No meu orgulho abatido
Mas se puderes esperar
Talvez um dia eu te possa amar

Olha, quero aqui a prometer
O meu coração fingido
Vai fazer por merecer esse amor imerecido
Até lá és apenas um bálsamo
No meu orgulho abatido
Mas se puderes esperar
Talvez um dia eu te possa amar

Gal Costa ~ Bem Bom



"Esse arranjo é maravilhoso, dissonâncias altissonantes e a voz de Gal como um diamante sobre o veludo negro...."
JackStarkey57

9 de dez de 2011

“Recanto”: Gal Costa, Caetano Veloso e a dimensão do som


RECANTO_GAL_PODER
Gal Costa não é diva, é musa. Algumas divas são insuportáveis, mas todas as musas são inspiradoras. Muitas divas escondem suas inseguranças atrás de máscaras de crueldade. Musas revelam-se na arte, confundem-se com a própria arte, detêm um encanto etéreo, transcendental, mas sobretudo leve. Diante disso, faço uma pergunta: qual é a única cantora brasileira que teve, tem e sempre terá os maiores compositores deste país dispostos a compor para ela? É uma pergunta que possui resposta óbvia porque Gal Costa é, na essência mais positiva do termo, uma intérprete com “i” maiúsculo. Seu novo álbum, intitulado “Recanto” (2011), lançado sob produção de Caetano Veloso, marca um grande reencontro na MPB. Um reencontro de Gal com uma parcela de si mesma, um reencontro com Caetano, um reencontro com o experimentalismo, um reencontro com as dimensões mínimas da voz.
Trata-se de um trabalho debochado em que Gal Costa recusa e, ao mesmo tempo, assume o título ambíguo de “grande cantora”. Todas as faixas são de autoria de Caetano Veloso e canções como “Autotune autoerótico” revelam tanto uma louvação de si mesma (Gal) quanto uma rajada de veneno dirigida às “novas” cantoras que, em grande parte, não reconhecem em si a influência de Gal e sua importância na criação de um canto moderno no Brasil, uma forma de dizer coisas cantadas com os pés na versatilidade, um jeito de cantar pautado na tradição, mas com o olhar voltado para a modernidade.
Caetano Veloso pensou neste disco com o intuito de recolocar essas coisas no seu devido lugar. E ninguém melhor do que ele para fazer isso. Nos trabalhos acadêmicos que tenho desenvolvido, defendo a ideia de que Caetano Veloso engendrou um discurso conceitual para o tropicalismo,Gilberto Gil desenvolveu um discurso musical e à Gal Costa coube a invenção de um discurso performático para o tropicalismo. Sua voz e o seu corpo foram os responsáveis por orientar toda a constituição performática (de canto e de cênica) da Tropicália. Em minhas brincadeiras pessoais, com amigos em minha intimidade, sempre digo: “Gal é tudo aquilo que Caetano gostaria de ser e o contrário também é verdadeiro”. É óbvio que isto é uma brincadeira, como também é óbvio que essa brincadeira tem um fundo de verdade.
RECANTO
“Recanto” é simultaneamente um regresso e um avanço. Regresso porque marca um retorno a dimensões minimalistas de “Domingo” (álbum lançado por Gal e Caetano em 1967), avanço porque Caetano Veloso propõe uma retomada de aspectos passados a partir de um olhar para o futuro. “Mansidão” é talvez a faixa que mais evidencie o regresso e o avanço aos quais me refiro: é um retorno a “Domingo” e um claro aceno para o futuro. Um futuro em que o envelhecimento está acompanhado da contemporaneidade das coisas, da vida e dos conceitos.
A velhice é obscura, pensar na morte é inevitável, mas “Recanto”, apesar de tratar de temas melancólicos e problemáticos, é um grito à vida, uma autoproclamação de juventude criativa de ambas as partes. É uma reinserção de Gal Costa ao começo de todo o percurso tropicalista, porém, agora, um tropicalismo pós-moderno, com timbres eletrônicos, amadurecido, envelhecido e rejuvenescido, contraditório. A canção “Tudo dói” é esta constatação de que a velhice e a juventude convivem, conflituosamente, dentro dos mesmos corpos: os corpos de Gal e Caetano.
A faixa “Neguinho” talvez trave um diálogo indireto com “Mini-mistério” (composição de Gilberto Gil gravada por Gal em 1970 para o LP “LeGal”) ao denunciar valores importantes da existência humana sendo “devorados” pelos valores do consumismo. Percebe-se que o Tropicalismo, desde sua eclosão na década de 1960, ainda se mantém atual.
“Miami Maculelê” é a composição com maior apelo (para o bem e para o mal) direcionado a uma massa maior de público. É uma obra em que Caetano aproxima funk e maculelê, deixando claro que as batidas modernas utilizadas na música de hoje possuem raízes tanto num âmbito internacional quanto no passado e na tradição negra do Brasil. E diante disso, Caetano pergunta: “Mas por que eu fui meter você no meu som, no meu bom Miami Maculelê?” Pergunta dirigida à própria Gal, uma dama da voz. E a voz de Gal dança, levemente, junto com ele, com São Dimas, Robin Hood e o Anjo 45. As referências estão todas à mostra: o Tropicalismo é uma colagem de disparidades harmonizadas.
Em “O menino”, Gal canta para si, para sua maternidade, para o seu renascimento. As guitarras, sobrepostas à voz, lembram as intenções musicais de Ceatano Veloso nos álbuns “Cê” (2006) e“Zii e Zie” (2009).
Gal_Caetano_Recanto_
Mas Gal Costa, pela importância que tem no cenário da música nacional, é, como sempre, desde o início de sua carreira, muito criticada negativamente. Se canta grandes clássicos da MPB, é taxada como conservadora. Se é ousada, dizem que se arriscou muito. Se se dedica à interpretação, dizem que é uma mera vocalista. O que mais me surpreende nas críticas dirigidas à Gal nestes longos 44 anos de carreira, é que ela sempre foi acusada de ser uma não-intérprete. É irônico, é contradito, é, no mínimo, irresponsável que pessoas que não tenham legitimidade (acadêmica, performática, cultural) para falar de música se posicionem dessa maneira. Ser intérprete é simplesmente se entregar, dar voz ao outro, colorir melodias, transformar a alteridade no próprio eu. Há muitas pessoas que entendem que ser intérprete é correr pelo palco, chorar sobre cadeiras enquanto se canta, recitar, cantar gemendo, derramar maquiagem sobre as bochechas… ser intérprete pode ser tudo isso, mas é muito mais. Ser intérprete é ter o domínio absoluto de sua arte com a finalidade de, simplesmente, ser uma folha em branco por onde se inscrevem desafios traçados por uma teia de significados dados por pessoas diversas, inclusive ela: a cantora.
Muitas “intérpretes” da música brasileira passaram décadas escolhendo repertórios que lhes convêm, canções que não rompem os parâmetros ditados pela incapacidade vocal e interpretativa que elas têm. Ser intérprete é ser capaz de ir aos limites com o seu próprio discurso vocal. E talvez seja esse o ponto principal de minha identificação com Gal Costa e que tenho defendido a partir de minhas interpretações antropológicas sobre seu trabalho: o seu discurso está no corpo, na voz, no empenho criativo com que ultrapassa as zonas limítrofes que lhes são impostas pelo tempo, pelas pessoas e por seus críticos. Gal nunca precisou que sua vida fosse uma tragédia para que cantasse com emoção, nunca recorreu a recursos extra-musicais, nunca fez gestos caricatos no palco (algum comediante saberia imitar os seus gestos em cena?), nunca criou uma aura de rainha em torno de si. Gal Costa não se impõe como uma rainha, mas é eleita por seus admiradores e, principalmente, pelos compositores. No texto em que Caetano Veloso escreveu para o encarte de “Recanto”, revelou: “Tom Jobim disse até morrer que ela era sua cantora favorita”. Como escrevi antes, Gal é musa e musas são sedutoras, são desejáveis. Musas inspiram e divas problemáticas provocam rejeição.
Bravo
Aos 66 anos, Gal Costa consegue provocar um grande impacto, ser capa da Revista Bravo!, ser aclamada pela crítica internacional e ser alvo de críticas controversas no Brasil. Isso não deixa de ser um ótimo termômetro de sua importância, justamente num período em que “grandes” e “jovens” cantoras também estão lançando seus álbuns. (A quantas andam a repercussão de seus trabalhos?) Aliás, muitas “grandes” e “jovens” cantoras são compositoras, fazem música com “conceito”. Esta é a moda. Se estão plenas de conceituações, estão esvaziadas de musicalidade. É inevitável constatar que suas composições não trazem nenhum tipo de inovação harmônica e ainda denunciam que elas, quase todas, parecem ainda frequentar as aulas inicias de quem está aprendendo a tocar violão. Mas a “maquiagem” dos arranjos disfarça certas deficiências musicais. Neste sentido, prefiro que Gal Costa seja uma excelente intérprete do que uma cantora mediana e uma péssima compositora.
O que é mais intrigante é ler as críticas que se referem a ela como apenas uma mera intérprete, uma mera vocalista em seu próprio projeto e, ainda pior, ressuscitam antigos projetos como “-FA-TAL-” e “Plural” como sendo exclusivamente obras de outros. Se Gal Costa é uma mera vocalista, proponho um desafio: que tal imaginar “-FA-TAL-”, “Plural” e todo o projeto tropicalista com outra cantora? Como sairia? Uma tropicália caricata, antiquada? Uma tropicália derramada? Interpretações com excessos de vibratos mal feitos? Seria, literalmente, um Tropicalismo fora do tom. O novo álbum de Gal Costa é uma grande surpresa, mas nem deveria ser, pois, no Brasil, Gal Costa sempre foi uma reinventora de si mesma. E (é bom lembrar) reinvenção com bom gosto, aliada à dimensão do risco. Nestes mais de 40 anos de carreira, Gal Costa nos surpreende a cada trabalho. É justamente esse fator que faz dela um grande alvo para as críticas: os percursos díspares que escolhe. E, mesmo quando é escolhida, sua adesão a um projeto significa uma opção pelo desafio, seja ele cantar com uma orquestra ou acompanhada por programações eletrônicas. Os jornalistas leigos em música se prendem às letras que elas têm, mas esquecem que, antes de tudo, a música é feita por sons. Quando canta, Gal Costa tem diálogo direto com os sons, entende a música pelo que ela é, não precisa de fatores intermediários entre ela e o som.
Gal Costa se resguarda, nunca foi uma mulher eloqüente, talvez não seja tão boa com as palavras, talvez não tenha aguçada a malícia exata para lidar com jornalistas que, em muitos casos, são pagos de acordo com o grau de parcialidade e destruição que conseguem imprimir em seus textos. Alguns “jornalistas” a acusam de ser uma cantora “técnica” e isso é um paradoxo justamente porque são afirmações proferidas pelas mãos ou bocas de pessoas que não sabem definir – e muito menos distinguir – o que é técnica. Falam em técnica sem saber o que ela realmente é. Conceituam algo que somente pode ser conceituado por alguém que tenha uma boa formação musical. E Gal vem mostrar o contrário. Está livre da obrigação da perfeição que sempre lhe foi cobrada. E cantando em regiões vocais que se aproximam da fala, assim como quando começou sua carreira. “Recanto” evidencia uma não-técnica, uma Gal natural. Mas, aos olhos de seus críticos, não é possível enxergar que, para alcançar regiões extremamente agudas da voz, para gritar afinado e dividir ritmicamente o canto, é necessário muita técnica. Para todos eles, talvez isso seja definido como “emoção” ou “inspiração”. Não. Isso é um saber específico que somente os grandes artistas da voz o tem. E Gal Costa, mesmo sendo detentora deste saber, o abandonou em “Recanto”, não lança mão de tais recursos, é debochada, ri de si e dos outros. Nega a si e se autoafirma ao mesmo tempo. Torna-se a contradição de si mesma. Aí está a grande excelência de Gal Costa captada por Caetano Veloso, talvez o melhor compositor para absorver essas nuances de sua voz, mas, acima de tudo, de sua personalidade interpretativa. Gal Costa confia em Caetano Veloso e a ele se entregou neste projeto. E talvez seja um tanto incômodo, para algumas pessoas, ter a certeza de que Caetano tem com Gal uma conexão que nunca teve e jamais terá com nenhuma outra cantora. Isso é amor. Um amor amadurecido e eternizado em “Recanto”.
Gal_caetano_2
O grande problema é que os críticos desejam que Gal Costa interprete fora de cena. Mas quem a acompanha sabe que sua interpretação está reservada ao palco e destinada à música. Ser intérprete em entrevistas não é o seu forte, ser intérprete nos palcos é sua realeza. Gal Costa não dá entrevistas sob efeito de nenhum tipo de substância que a deixe “mais inspirada”, como muitas ainda o fazem. Gal Costa quer cantar e ela o pode fazer. As críticas circunscrevem Gal Costa a uma definição pejorativa de cantora passiva. São críticas burras, sem o mínimo de reflexão. Dizem que Gal Costa é uma mera vocalista. Se seguirmos este raciocínio primário, o que falaríamos das atrizes e bailarinas? Exigiríamos que as atrizes fossem também escritoras, diretoras, roteiristas, maquiadoras, figurinistas e cenógrafas de seus próprios trabalhos? Desmereceríamos o seu potencial criativo por não ocuparem essas funções ou por não terem sido elas as autoras dos textos que dizem em cena? Exigiríamos o mesmo das bailarinas? Transformaríamos bailarinas em coreógrafas compulsoriamente? Não. Isto não é ser intérprete. Ser uma grande intérprete é ser como Fernanda Montenegro: humilde, excelente no que faz, reinventora de sua técnica e não-técnica, atenta aos diretores com quem trabalha. Ser intérprete é impor-se em equipe, deixar uma assinatura sem submergir os outros ao redor. Gal Costa é uma atriz da voz. Ser atriz é ter a capacidade de interpretar vários papéis completamente diferentes. Ser intérprete é mudar sempre.“Recanto” é o álbum do ano.
Rafael Noleto - este autor já contribuiu com 26 posts no midiatico.com.
Rafael Noleto é mestrando em Antropologia (UFPA) e graduado em Música (UEPA). Desenvolve pesquisas sobre música e sexualidade. Canta e compõe nas "horas vagas". 

8 de dez de 2011

Cristina Branco | Talvez





Vais dizendo que estou louca
Que não me fazes feliz
Mas ao beijar a tua boca
Não é isso que ela diz

E basta dizer meu nome
Como só ela é capaz
Pra matar a minha fome
Dos beijos que não me dás

Talvez, meu amor, talvez
Talvez seja insensatez
Talvez
Talvez que eu esteja enganada
E que, mais mês menos mês,
Um dia, às duas por três,
Tudo isto acabe em nada

Tu não suportas a rede
Que teço para os teus passos
Mas vais matando esta sede
De te enredar nos meus braços

Repetes que ainda é cedo
Para saber o que queremos
E é tarde pra não ter medo
Daquilo que já sabemos

Talvez, meu amor, talvez
Talvez seja insensatez
Talvez
Talvez que tenhas razão
Mas diz-me então os porquês
De dizeres sempre talvez
Em vez de dizeres que não

Eu hei-de te repetir
“Talvez, meu amor, talvez”
Até que te oiça pedir
“Meu amor, fica de vez”

(Manuela de Freitas / Pedro Moreira)

Cristina Branco | Invitation au Voyage




Mon infant, ma Solur,
Osnge à la douceur
D’aller lá-bas vivre ensemble!
Aimer à loisir,
Aimer et mourir
Au pays qui te ressemle!
Les soleils mouillés
De ces ceils brouillés
Pour mon esprit ont les charmes
Si mystérieux
De tes traits yeux,
Brillant à travers leurs larmes

Là, tout n`est qu`ordre et beauté
Luxe, calme et volupté.

Des meubles luisants,
Polis par les ans.
Décoreraient notre chamber;
Les plus rares fleurs
Mêlant leurs odeurs
Auxvagues senteurs de l`ambre,
Les riches plafonds,
Les miroirs profonds,
La splendeur orientale,
Tout y parlerait
A l`âme en secret
Sa douce langue natale.

Là, tout n`est qu`ordre et beauté
Luxe, calme et volupté

Vois sur ces vaisseaux
Dont l`humeur est vagabonde;
C`est pour assouvir
Ton moindre désir
Qu`ils viennent du bout du monde.
Les soleils couchants
Revêtent les champs,
Les canaux, la ville entière,
D`hyacinthe et d`or;
Le monde s`endort
Dans une chaude lumière.

Là, tout n`est qu`ordre et beauté
Luxe, calme et volupté.


letra de Miguel Faria
sobre um poema de Charles Baudelaire
e música de João Paulo Esteves da Silva

Cristina Branco | Anclao en Paris



Tirao por la vida de errante bohemio
Estoy, buenos aires, anclao en paris.
Cubierto de males, bandeado de apremio,
Te evoco, desde este lejano país.
Contemplo la nieve que cae blandamente
Desde mi ventana, que da al bulevar:
Las luces rojizas, con tono muriente,
Parecen pupilas de extraño mirar.

Lejano buenos aires, ¡que lindo has de estar!
Ya van para diez años que me viste zarpar...
Aquí, en este montmartre, faubourg sentimental,
Yo siento que el recuerdo me clava su puñal.

¡como habrá cambiado tu calle corrientes!...
¡suipacha, esmeralda, tu mismo arrabal!...
Alguien me ha contado que estas floreciente
Y un juego de calles se da en diagonal...
¡no sabés las ganas que tengo de verte!
Aqui estoy varado, sin plata y sin fe...
¡quién sabe una noche me encane la muerte
Y, chau buenos aires, no te vuelva a ver!

Guillermo Barbieri - Enrique Cadicamo

Cristina Branco | Não há só Tangos em Paris



Beijei teu retrato, esborratou-se a tinta
Num corpo abstracto que a saudade pinta
E a esquadrinhar teus traços já dei por mim louca
Diz-me lá Picasso onde ele tem a boca

Esse teu retrato vou expô-lo em Paris
Já usado e gasto, ver se alguém me diz
Onde é que te encontro, se não te perdi

Por te ter chorado desfiz o meu rosto
E num triste fado encontrei encosto
Dei-me a outros braços, mas nada que preste
Diz-me lá Picasso que namoro é este

Este meu retrato vou expô-lo em Paris
E assim ao teu lado eu hei-de ser feliz
Se nunca te encontro, nunca te perdi

Sei, não há só tangos em Paris
E nos fados que eu vivi
Só te encontro em estilhaços

Pois bem, tão certa espero por ti
Se com um beijo te desfiz
Com um beijo te refaço

Este meu retrato vou expô-lo em Paris
E assim ao teu lado eu hei-de ser feliz
Se nunca te encontro, nunca te perdi

Sei, não há só tangos em Paris
E nos fados que eu vivi
Só te encontro em estilhaços

Pois bem, tão certa espero por ti
Se com um beijo te desfiz
Com um beijo te refaço

Se com um beijo te desfiz
Com um beijo te refaço

(Pedro da Silva Martins)

29 de nov de 2011

A grande beleza de Gal e Caetano


Texto por Julio César Biar*
“Coisas sagradas permanecem/ Nem o demo as pode abalar”. Os versos de ‘Recanto escuro’, canção de onde foi retirado o título do aguardado disco de Gal Costa, resumem a longeva parceria da cantora com Caetano Veloso.
Dando voz às palavras do compositor desde 1965, quando gravou ‘Sol negro’ ainda como Maria da Graça, em dueto com Bethânia, e, dois anos depois, dividiu com ele o disco de estreia, ‘Domingo’, Gal construiu sua carreira alicerçada por grandes interpretações de canções caetânicas. De ‘Coração vagabundo’ a ‘Divino maravilhoso’, de ‘Tigresa’ a ‘Força estranha’, de ’Mãe’ a ‘Meu bem, meu mal’, de ‘Minha voz’ a ‘Vaca profana’, de ‘Aquele frevo axé’ a ‘Luto’, entre outras tantas que formam verdadeira biografia musical da cantora.
Recanto pode ser um lugar aconchegante, um canto cantado novamente, um canto não inaugural, com história, reflexivo. Recanto é ‘Relance’ entre Gal e Caetano que assina todas as composições (em estilo próximo ao de seu disco ‘Cê’) e a produção (em parceria com Moreno Veloso) do álbum lançado pela gravadora Universal Music . Seis anos depois de ‘Hoje’ (Trama), CD recebido friamente pelos críticos, ‘Recanto’ aponta novos rumos e recoloca Gal na dianteira da produção musical contemporânea ao juntar à sua voz cristalina os sons eletrônicos concebidos por jovens músicos cariocas. A voz madura, porém jovial, harmoniza temas por vezes ásperos. Não há exibicionismos vocais, o canto surge límpido em contraponto aos sons tecnológicos.
Kassin – sempre ele – responde pela programação e arranjos da maioria das faixas. Nomes da cena alternativa como o quarteto experimental Rabotnik (Estevão Casé, Eduardo Manso, Bruno Di Lullo e Rafael Rocha) e o Duplexx (Bartolo e Leo Ribeiro) também contribuem para a bela e inquietante sonoridade de ‘Recanto’.
Das onze canções, apenas duas não são inéditas: ‘Madre Deus’, feita para o balé ‘Onqotô’ do grupo Corpo, e ‘Mansidão’, gravada por Jane Duboc em 1982. É incrível como a letra de ‘Mansidão’ encaixa-se perfeitamente ao presente de Gal: “Esta voz que o cantar me deu é uma festa paz em mim”, explicitam os versos. A ‘Verdadeira baiana’ torna sua a canção feita para a colega, assim como fez com ‘Dom de iludir’, escrita para Maria Creuza.
Gal não precisa provar mais nada para ninguém, seu canto desde o início moderno registrou a maioria dos grandes compositores desse país. Sua rica biografia está cifrada e misturada à de Caetano em ‘Recanto escuro’, emocionante canção repleta de “ilusões auditivas” e intervenções do violão de sete cordas de Luís Felipe de Lima. Quase uma seresta nostálgico-futurista. Já ‘Cara do mundo’ roça a lavra autoral pop moderna do Hermano Marcelo Camelo. Impressiona por uma dissimulada singeleza que escamoteia signos enigmáticos, altamente visuais.
‘Autotune autoerótico’ é faixa que vem juntar-se às canções inspiradas na voz/canto de Gal, como ‘Eu te amo’ e ‘Minha voz, minha vida’. Provocativa, a cantora brinca com a ferramenta do título nos improvisos. A voz “americana e global”, exercitada nas panelas de Dona Mariah, impõe-se impecável e desafiadora, roçando nos cabelos antes de descer “a nota ao sol do plexo”. Poeta e musa inspiradora em estado puríssimo.
“Tudo é singular” na estranheza de ‘Tudo dói’, onde a doçura do canto de Gal suaviza vocábulos iridescentes e hipotálamos que minguam. Viver dói. Escolhida como música de trabalho, ‘Neguinho’ tem sua hipnótica base, assinada por Zeca Veloso, pontuada pela guitarra psicodélica de Pedro Sá. A letra que critica o consumo desenfreado da sociedade (Neguinho compra três TVs de plasma, um carro, um GPS/ E pensa que é feliz) ganha registro refinado de Gal e faz pensar na inclusão de ‘Eu sou neguinha’ numa possível sequencia no futuro show da cantora. “Neguinho que eu falo é nós”, sentencia.
Caetano inspirou-se em Gabriel, o filho de Gal, para fazer ‘O menino’ que “ilumina as madrugadas”, salvador como o Menino Jesus. ‘Sexo e dinheiro’ é canção filosófica, intensa, um verdadeiro desafio de interpretação. Gal está sublime passeando pela áspera base. A diva cai no batidão do funk carioca em ‘Miami maculelê’, esperta letra que cita os bandidos santos (“São Dimas, Robbin Hood e o Anjo 45/ todos dançando comigo”) e ressalta a ligação da música dos morros cariocas com o Miami bass e o maculelê de Santo Amaro da Purificação.
foto: Gilda Midani
Surpreendentemente, ‘Recanto’ termina com uma canção sem qualquer som eletrônico, ‘Segunda’, na qual Moreno pilota todos os instrumentos. “Segunda é dia de branco/ Vou arrastar meu tamanco”, diz a letra em viés diferente da faixa anterior, mas ainda pisando o chão do proletariado, esteja ele nas favelas cariocas, paulistas ou alhures.
‘Recanto’ impõe-se desde já como um dos melhores discos de Gal que reaparece serena e segura. Que outra cantora poderia se mostrar tão ousada após quase cinco décadas de carreira? A mulher sagrada de Caetano – e de muitos outros – continua acima da manada.
* Julio César Biar é colaborador do Divercidade. Ele é jornalista, radialista e crítico musical. Carioca, fã de cantoras e do que se convencionou chamar de MPB. Acesse também o blog pessoal “Outras Palavras 

12 de nov de 2011

Lauryn Hill | Doo-Wop (That Thing)




It's been three weeks since you were looking for your friend
The one you let hit it and never called you again
Remember when he told you he was about the benjamins?
You act like you ain't hear him, and gave him a little trim
To begin, how you think you're really going to pretend
Like you wasn't down and you called him again?
Plus when, you give it up so easy you ain't even foolin' him
If you did it then, then you'd probably fuck again
Talking out your neck, saying you're a Christian
A Muslim, sleeping with the Gin
Now that was the sin that did Jezebel in
Who're you going to tell when the repercussions spin?
Showing off your ass 'cause your thinking it's a trend
Girlfriend, let me break it down for you again!
You know I only say it 'cause i'm truly genuine
Don't be a hard rock, when you really are a gem
Baby girl! Respect is just a minimum
Nigga's fucked up and you still defending him
Now -- Lauryn is only human
Don't think I haven't been through the same predicament
Let it sit inside your head like a million women in Philly Penn
It's silly when girls sell their souls because it's in
Look at what you be in, hair weaves like Europeans
Fake nails done by Koreans

Come again
Yo! A-When when come again! (Yeah-Yeah!)
When when come again!! (Yeah-Yeah!)
My friend come again!!! (Yeah-Yeah!)

[Chorus - Lauryn]

Guys you know you'd better, watch out (Watch out!)
Some girls, some girls are only, about (About!)
That thing, that thing, that thing! (Thing!)
That thing, that thing, that thing! (Thing!)

[Verse Two - Lauryn]

The second verse is dedicated to the men
More concerned with his rims and his Tim's than his women
Him and his men, come in the club like hooligans
Don't care who they offend
Popping yin (Like you got yang!)
Let's stop pretend, the ones that pack pistols by the waist men
Cristall by the case men, still living in his Mother's basement
The pretty face men claiming that they be the "big men."
Need to take care of their three and four kids
But they face a court case when the child support's late
Money taking and heart breaking
Now you wonder why women hate men
The sneaky silent men
The punk domestic violence men
Quick to shoot the semen, stop acting like boys and be men!
How you gonna win, when you ain't right within?!
How you gonna win, when you ain't right within?!
How you gonna win, when you ain't right within?!
Unh-Unhh Come Again!
bredrin come again!
Sit straight come again!

Watch out, watch out
Look out, look out
Watch out, watch out
Look out, look out
Watch out, watch out
Look out, look out
Watch out, watch out
Look out, look out

[Lauryn - Singing Chorus]

Girls you know you'd better, watch out (Watch out!)
Some guys, some guys are only about (About!)
That thing, that thing, that thing! (Thing!)
That thing, that thing, that thing! (Thing!)

Guys you know you'd better, watch out (Watch out!)
Some girls, some girls are only, about (About!)
That thing, that thing, that thing! (Thing!)
That thing, that thing, that thing! (Thing!)

11 de nov de 2011

Todo sentimento

(...)
Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.





10 de nov de 2011

Ná Ozzetti- Equilíbrio (Ná Ozzetti/Luiz Tatit) - Clipe Oficial



(Ná Ozzetti | Luiz Tatit)

Se me viro numa dura
É que a esta altura não dá pra parar
Se parar desequilibro
Não dá pra recuperar
Faço um giro de cintura
Mas mantenho a compostura
Porque sei me equilibrar
E tem hora que até vibro
Mas eu vibro sem parar
Eu admiro a criatura
Que consegue sossegar
Quisera!
Mas eu tou na corda bamba
Tenho que barbarizar
Não adianta puxar
Não adianta empurrar
Não adianta tentar
Me paralisar
Qual é?
Vai querer me derrubar?
Me equilibro como posso
Me equilibro nesse troço

Que puseram aqui
Pra me apoiar
Me equilibro com a pontinha
Do meu pé sobre essa linha
Que traçaram pra eu
Poder passar

Me equilibro na tangente
Sempre olhando lá pra frente
Pra não me desestabilizar
Me equilibro como dá
...
Porque tenho que
Continuar
Quando chega sexta-feira
Parece que a vida inteira
Equilibrei
Me livrei, me livrei
E a semana que vem
Tem mais

6 de nov de 2011

24 de out de 2011

Gal Costa e Caetano Veloso - Tá Combinado

Menina mulher da pele preta Gal Costa

Caetano Veloso e Nina Becker - Muito

Eu sempre quis muito
Mesmo que parecesse ser modesto
Juro que eu não presto
Eu sou muito louco, muito
Mas na sua presença
O meu desejo
Parece pequeno
Muito é muito pouco, muito
Broto você é muito, muito
Broto você é muito, muito
Eu nunca quis pouco
Falo de quantidade e intensidade
Bomba de hidrogênio
Luxo para todos, todos
Mas eu nunca pensei
Que houvesse tanto
Coração brilhando
No peito do mundo louco
Gata você é muito
Broto você é massa, massa

(Caetano Veloso)




3 de out de 2011

29 de set de 2011

Nu com a minha música

Penso ficar quieto um pouquinho lá no meio do som
Peço salamaleikum carinho bênção aché shalon
Passo devagarinho o caminho que vai de tom a tom
Posso ficar pensando no que é bom
Vejo uma trilha clara pro meu Brasil apesar da dor
Vertigem visionária que não carece de seguidor
Nu com a minha música afora isso somente amor
Vislumbro certas coisas de onde estou
Nu com meu violão madrugada nesse quarto de hotel
Logo mais sai o ônibus pela estrada embaixo do céu
O estado de São Paulo é bonito penso em você e eu
Cheio dessa esperança que Deus deu
Quando eu cantar pra turba de Araçatuba verei você
Já em Barretos eu só via os operários do ABC
Quando eu chegar em Americana não sei o que vai ser
Às vezes é solitário viver
Deixo fluir tranqüilo naquilo tudo que não tem fim
Vaca manacá nuvem saudade cana café capim
Coragem grande é poder dizer que sim

(Caetano Veloso)

atualização do post de 27/01/2009:







27 de set de 2011

Mariene de Castro - São Cosme e São Damião



Eu era criança
E tinha esperança
De ser um dia feliz
Fiz uma promessa
Dei doces à beça
Para os santinhos guris

Mãmae quem fazia os doces pediu
Que eu lhe fizesse o favor
Pedisse pro meu Papaizinho
Que desse a ela o seu grande amor

Cosme, Damião, Doum
Crispim, Crispiniano
Caboclinhos da Mata
Doces pra vocês eu dei
E as promessas que fiz já paguei

Festas e mais festas eu fiz
Desta data feliz eu me lembro
Cosme, Damião, Doum
27 de Setembro.

Cosme e Damião
Vem comer seu caruru
Cosme e Damião
Eu hei de todo ano fazer caruru pra tu

São Cosme mandou fazer
Duas camisinha azul
No dia da festa dele
São Cosme quer caruru
vadeia Cosme, vadeia
To vadiando na areia
São Cosme São Damião
Dois meninos quer brincar
Bate palma sereia no mar
Dois dois ele quer vadiar
Dois dois ele brinca no mar

Cosme e Damião
Cadê Doum
Cosme e Damião
Vem comer seu caruru

Vadeia dois-dois
Vadeia no mar
A casa é sua dois-dois
Eu quero ver vadiar

Vamos levantar
o cruzeiro de Jesus
Pro céu, pro céu
Pro céu da Santa Cruz

I Put A Spell On You












I put a spell on you
'Cause you're mine

You better stop the things you do
I ain't lyin'
No I ain't lyin'

You know I can't stand it
You're runnin' around
You know better daddy
I can't stand it cause you put me down

I put a spell on you
Because you're mine
You're mine

I love ya
I love you
I love you
I love you anyhow
And I don't care
if you don't want me
I'm yours right now

You hear me
I put a spell on you
Because you're mine

(Screamin Jay Hawkins)

25 de set de 2011

8 de set de 2011

Porgy & Bess | Bess, You Is My Woman Now

The Gershwins' Porgy & Bess. In this heart-warming scene, Porgy (Willard White) declares his feelings for Bess (Cynthia Haymon)




Marisa Monte e Carlos Fernando Nogueira

Billie Holiday - I Love You Porgy

Nina Simone - I Loves You Porgy

23 de ago de 2011

SOLEDAD VILLAMIL EN VIVO Maldigo del alto cielo de Violeta Parra



Maldigo el vocablo amor con toda su porquería. Cuanto será mi dolor?...
Yo los maldigo llorando...
Les pongo mi maldición, en griego y en español por culpa de un traicionero. Cuanto será mi dolor?

17 de ago de 2011

14 de ago de 2011

Swing de Campo Grande | Novos Baianos | Fino Coletivo







Minha carne é de carnaval
O meu coração é igual
Minha carne é de carnaval
O meu coração é igual
Minha carne é de carnaval
O meu coração é igual

Aqueles que têm uma seta
e quatro letras de amor
por isso onde quer
que eu ande em qualquer pedaço
eu faço
um campo grande
um campo grande
um campo grande

Eu não marco toca
eu viro toca
eu viro moita

(Paulinho, Moraes e Galvão)

A Coisa Mais Linda do Mundo | Fino Coletivo (Oficial)



A coisa mais linda do mundo, toda de amarelo
Que coisa linda
Teu sorriso caliente, os teus abraços quentes
O teu olhar me faz ficar ausente
Tua simpatia me faz mostrar os dentes

E é pra vc que eu canto (4x)

Ô coisa linda de meu deus
Ô coisa linda, coisa Linda

(Alvinho Cabral)

Nhem nhem nhem | Fino Coletivo



Desde que fui batizado
Minha alma amarelou
Minha pele era negra, desbotou

Hare Krishna labareda
Pega teu kichute e dança, uma valsa
Felicites os Tibetanos, pela calma
O furor da inteligência
fez a USA usar bem
Uma quenga zapatista
No alto de Suassuna
Toque sanfoneiro
Nessa pele de cordeiro
Beba esse chá de bússola
Feito por esse mestiço
Pelas ondas tabajaras, ouço o rinchar das mulas
Um dia ainda te escrevo
De um banco de praça da cidade do Cabo Canaveral

Por que a areia é fina
Ciranda é uma roda
Por que os sonhos não se limitam à artistas
Os tubarões de Pernambuco não toleram surfistas
Nhém Nhém Nhém...
Nhém Nhém Nhém...

(Totonho)

Fino Coletivo | Jacaré (Se vacilar o jacaré abraça)



Coração cadeado entre aberto e fechado
E se o destino é torto eu não largo meu osso
Eu só quero dizer: “que eu te quero você”
E é difícil pra mim se não guardas um sim

(Se vacilar o jacaré abraça) 2x

Se tá de trapaça, se tá de bandeira,
Se tá de fumaça, de qualquer maneira
Se ta de vacilo, se tá de bobeira,
Pra quem tá tranqüilo é que desce a madeira

Se vacilar o jacaré abraça

(Alvinho Cabral, Thiago Nistal e Wado)

Fino Coletivo | Ai de Mim - Ao vivo no Arpoador RJ



Cê já imaginou
Se não fosse o amor
Você tava no chão
Você tava na mão

Cê já imaginou
Se não fosse o amor
Você tava no chão, irmão
Você tava na mão, irmão

Ai de mim
Eu, ah!
Sem o amor dela

amor, amor, que bom

Ai de mim
Sem o seu amor

(Alvinho Lancellotti e Djalma Dvaila)

12 de ago de 2011

Billie Holiday | Body and Soul



My heart
Is sad and lonely
For you I sigh
For you dear only
Why haven't you
Seen it?
I'm all for you
Body and soul

I spend my days
In longing
And wondering why
It's me you're wronging
I tell you I mean it
I'm all for you
Body and soul

I can't believe it
It's hard to conceive it
That you'd
Turn away romance
Are you pretending?
Looks like the ending
Unless I could have
One more chance to prove

Dear
My life's a wreck
You're making
You know that I'm yours
For just the taking
I'd gladly surrender
Body and soul

(Edward Heyman, Robert Sour, Frank Eyton and Johnny Green)

4 de ago de 2011

Let's Fall In Lovefi

We might have been meant for each other
To be or not to be, let our hearts discover
I have a feelin', it's a feelin' I'm concealin', I don't know why
It's just a mental, incidental, sentimental, alibi
But I adore you, so strong for you
Why go on stallin', I'm fallin', love is callin', why be shy?


Let's fall in love
Why shouldn't we fall in love?
Our hearts are made of it
Let's take a chance, why be afraid of it?

Let's close our eyes
And make our own paradise
Little we know of it
Still we can try to make a go of it

Now, we might have been meant for each other
To be or not to be, let our hearts discover

Let's fall in love
Why shouldn't we fall in love?
Now is the time for it, while we are young
Let's fall in love

Let's fall in love
Let's fall in love


(Harold Arlen, Ted Koehler)



ELLA






FRANK


1 de ago de 2011

k.d. lang and The Siss Boom Bang Performs "Sugar Buzz"




Oh, sweet thing,Â
You're just like a Sugar Buzz
Doing to me just what sugar does.
The hardest fall, there ever was,
I so high like I was on some devil's drug
You lift me up straight to the top
Suspended me until I drown.

Chorus:
Can't get enough,Â
I can live without it,
Can't get enough!
What this love does to me,Â
To me, sugar buzz?

You got me wound up tight as I can be,
Spinning like the world without its gravity,
Sometimes I wish I never tasted this
What on earth is this stuff

Chorus:
Can't get enough,Â
I can't live without it
Can't get enough!
What this love does to me to me
Can't get enough!
What this love does to me to meÂ
Can't get enough
What this love does to meÂ
sugar buzz?





=================

QUE MARAVILHA ISSO TUDO!!

k.d. lang!!!!!!!

26 de jul de 2011

Cofre

Buscar
tentar
ser
olhar
e sempre
nunca
tanto
uma coisa qualquer inominada
mas sentida
um amargor
ou doce ruim
tudo: o mesmo e diferente
só anseio e
o
total
desconhecimento
da
prática forma meio ponto porta estrada
caverna e prisão
e dentro
escondido obscuro
um cofre
um pote
onde
o tesouro
se há
se houver
tesouro
só pode
poderá
ser acessado
com
a
destruição do recipiente
com
o
esfacelamento do corpo
que guarda
a jóia
com
a
morte do guardião
para
o
descobrimento
da jóia
que
pode ser
mero
reflexo
do anseio
um vidro
qualquer
assim
frágil
nem espelho
nem belo
carvão.
Reinício.

(a.l.k.)

25 de jul de 2011

Amy Winehouse | Fuck Me Pumps

Amy Winehouse | Me and Mr Jones Live

Se eu soubesse | Chico Buarque e Thais Gulin




Se eu soubesse
(Chico Buarque)

Com a participação de Thaís Gulin.

Ah, se eu soubesse não andava na rua
Perigos não corria
Não tinha amigos, não bebia, já não ria à toa
Não ia enfim
Cruzar contigo jamais

Ah, se eu pudesse te diria, na boa
Não sou mais uma das tais
Não vivo com a cabeça na lua
Nem cantarei: eu te amo demais
Casava com outro, se fosse capaz

Mas acontece que eu saí por aí
E aí, larari larari larari larara

Ah, se eu soubesse nem olhava a lagoa
Não ia mais à praia
De noite não gingava a saia, não dormia nua
Pobre de mim
Sonhar contigo, jamais

Ah, se eu pudesse não caía na tua
Conversa mole, outra vez
Não dava mole à tua pessoa
Te abandonava prostrado a meus pés
Fugia nos braços de um outro rapaz

Mas acontece que eu sorri para ti
E aí larari larara lariri, lariri
Pom, pom, pom, ...

==

Thais Gulin: voz
Chico Buarque: voz e violão
Luiz Claudio Ramos: violão
Jorge Helder: baixo
João Rebouças: piano
Paulo Sergio Santos: clarinete
Cristina Braga: Harpa

21 de jul de 2011

A night in Tunisia



The moon is the same moon above you
Aglow with its cool evening light
But shining at night, in Tunisia
Never does it shine so bright

The stars are aglow in the heavens
But only the wise understand
That shining at night in Tunisia
They guide you through the desert sand

Words fail, to tell a tale
Too exotic to be told
Each night's a deeper night
In a world, ages old

The cares of the day seem to vanish
The ending of day brings release
Each wonderful night in Tunisia
Where the nights are filled with peace

(Dizzy Gillespie - Frank Paparelli)




19 de jul de 2011

AMIGO É CASA

Amigo é feito casa que se faz aos poucos
e com paciência pra durar pra sempre
Mas é preciso ter muito tijolo e terra
preparar reboco, construir tramelas
Usar a sapiência de um João-de-barro
que constrói com arte a sua residência
há que o alicerce seja muito resistente
que às chuvas e aos ventos possa então a proteger
E há que fincar muito jequitibá
e vigas de jatobá
e adubar o jardim e plantar muita flor toiceiras de resedás
não falte um caramanchão pros tempos idos lembrar
que os cabelos brancos vão surgindo
Que nem mato na roceira
que mal dá pra capinar
e há que ver os pés de manacá
cheínhos de sabiás
sabendo que os rouxinóis vão trazer arrebóis
choro de imaginar!
pra festa da cumieira não faltem os violões!
muito milho ardendo na fogueira
e quentão farto em gengibre
aquecendo os corações
A casa é amizade construída aos poucos
e que a gente quer com beira e tribeira
Com gelosia feita de matéria rara
e altas platibandas, com portão bem largo
que é pra se entrar sorrindo
nas horas incertas
sem fazer alarde, sem causar transtorno
Amigo que é amigo quando quer estar presente
faz-se quase transparente sem deixar-se perceber
Amigo é pra ficar, se chegar, se achegar,
se abraçar, se beijar, se louvar, bendizer
Amigo a gente acolhe, recolhe e agasalha
e oferece lugar pra dormir e comer
Amigo que é amigo não puxa tapete
oferece pra gente o melhor que tem e o que nem tem
quando não tem, finge que tem,
faz o que pode e o seu coração reparte que nem pão.

(Capiba / Hermínio Bello De Carvalho)




7 de jul de 2011

Blog Widget by LinkWithin