8 de mai de 2009

Lágrimas negras

Na frente do cortejo o meu beijo
Muito forte como aço, meu abraço
São poços de petróleo a luz negra dos seus olhos
Lágrimas negras caem, saem
Dói
Por entre flores e estrelas
Você usa uma delas como brinco
Pendurada na orelha
Eu, o astronauta da saudade
Com a boca toda vermelha
Lágrimas negras caem, saem
Dói
São como pedras de um moinho que moem, roem, moem
E você, baby, vai, vem, vai
E você, baby, vem, vai, vem
Belezas são coisas acesas por dentro
Tristezas são belezas apagadas pelo sofrimento

Belezas são coisas acesas por dentro
Tristezas são belezas apagadas pelo sofrimento
Lágrimas negras caem, saem
Dói

(Jorge Mautner / Nelson Jacobina)


Nenhum comentário:

Blog Widget by LinkWithin